21 maio 2005

O professor de Alfandega da Fé.

Num Telejornal de hoje:

Professor de Matemática, colocado na Escola C+S de Alfandega da Fé, idade provável entre os 60/63 anos, faz da sua viatura residência, por não ter possibilidade de pagar um quarto, manter a sua casa em Lisboa e sustentar dois filhos. Ali dorme, ali tem alguns livros, ali retempera forças e dali parte para dar aulas aos filhos daquela terra. Em tempos de ócio criou um clube de xadrez, para que os alunos, jogando, treinem também o raciocínio matemático.
(...que tanta falta nos faz)

É capaz de ser um exemplo entre muitos, mas este, tocou-me hoje.
Não é tanto pela gravidade da situação, senão, o verificar que é a pessoas com problemas existenciais destes que nós temos entregue a educação dos nossos jovens. Como pode um professor assim manter os níveis de eficácia no ensino que todos os dias verificamos serem mais urgentes.

A Saúde é uma questão importante? Concordo e um médico deve ter condições minimas para exercer a sua actividade, com empenho. Mas porque razão não entendemos também que temos que ter gente empenhada a ensinar?
Não é esta profissão uma das que apresenta maiores taxas de aumento de doenças do foro psiquiátrico? E porque razão será? E que efeitos tem isso no ensino?

Para quando a dignificação da carreira de professor? Se tiver que passar por um grande abanão ao nível daquelas carreiras que seja, mas parece urgente, que o Estado e a sociedade civil tem que olhar para este sector com outros olhos. De outra forma, bem podemos investir milhões na educação que o problema continuará coxo deste lado. E porque que raio, aquela Autarquia ou a Paróquia ou lá quem quer que seja, não arranja uma solução temporária àquele homem?


Ou seremos um país de merdeiros?

2 comentários:

daniel tecelão disse...

Se porventura algo de semelhante se passasse com um tipo que desse chutos na bola no clube lá da terra,o problema já se tinha solucionado.
Ponha merdeiros nisso!!!

Graza disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.